Participe das Iniciativas

O SulAmérica Saúde Ativa foi feito para você! Por isso trazemos iniciativas
para uma vida mais saudável, que oferecem cuidados por completo.

Iniciativa desejada

Dados pessoais

//
-
Iniciativa disponível para algumas localidades
*Campos obrigatórios

As Iniciativas Saúde Ativa estão disponíveis para os beneficiários SulAmérica Saúde e a participação está sujeita às condições de elegibilidade. Para conhecê-las, clique em Pra Você > Iniciativas.

Se preferir, entre em contato via e-mail saudeativa@sulamerica.com.br ou pela Central de Atendimento
SulAmérica 0800-970-0500 para tirar suas dúvidas ou participar da iniciativa.

Recebemos seu interesse em participar do Saúde Ativa! Em breve entraremos em contato.
OK

Matérias



Quais Vacinas Você Deve Tomar Antes de Viajar? Doenças Comuns

Home > Matérias > Doenças Comuns > Quais Vacinas Você Deve Tomar Antes de Viajar?


header_sulamerica-saude_artigo-vacinas_V02


Se vai viajar a lazer ou a trabalho, tão importante quanto os documentos de viagem é ter a sua carteira de vacinação em dia.


Nem todos os países têm uma relação de vacinas obrigatórias, algumas delas são apenas recomendadas (na maior parte das vezes, as obrigatórias são para proteção da população local, e as recomendadas, para proteção do viajante).

De uma forma ou de outra, é fundamental que você se informe sobre isso ao escolher o seu destino, sem deixar para a última hora. Essas regras podem mudar a qualquer momento; por isso, a primeira coisa a fazer é consultar o site do consulado ou da embaixada do país para onde está indo viajar e checar as informações mais recentes.

Você também pode consultar direto nas páginas:

  1. Anvisa – países que exigem vacinação: página do sistema de emissão da Carteira Internacional de Vacinação, onde é possível pesquisar as exigências de cada país. Basta clicar na aba “Exigências de Viagem” e selecionar o país para o qual você pretende viajar.

  2. OMS – países que exigem vacinação contra a febre amarela: lista disponibilizada anualmente pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

 
Por que as vacinas são tão importantes?


Especialmente para quem vai para países tropicais ou com surto de algum tipo de doença, a vacinação pode proteger você e sua família do risco de adquirirem doenças infecciosas, como é o caso da febre amarela, que somente de janeiro a maio de 2019 vitimou 14 pessoas no Brasil. Transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, que também transmite a dengue, a febre chikungunya e o zika vírus, a sua vacina é a única que pode ser obrigatória. Mais comum em países da América Latina, Caribe e África, a doença não tem cura; por isso, nessas localidades o cuidado deve ser redobrado com o uso de telas, mosquiteiros e repelentes de alta performance.

São recomendadas para todo tipo de viagem, especialmente se for para zonas onde o contato com a natureza é grande, as seguintes vacinas:



box-01_sulamerica-saude_artigo-vacinas_V02

E se a sua viagem for dentro do Brasil?

 
Algumas regiões do Brasil, próximas a matas e rios, são mais críticas, então, mesmo não sendo obrigatório, vale a pena vacinar-se contra a febre amarela e tomar as demais precauções. Trata-se das seguintes regiões:



sulamerica-saude_artigo-vacinas_mapa_V03
A vacinação contra a febre amarela em 5 passos:




box-03_sulamerica-saude_artigo-vacinas_V02

E se você não puder ser vacinado?

Procure um médico de sua confiança para que seja feito um exame clínico. Caso seja confirmada a contraindicação da vacina, peça um atestado de isenção da vacinação em inglês, preferencialmente. A Anvisa disponibiliza um modelo de atestado de isenção de vacinação aqui.

Feito isso, agora é arrumar as malas e boa viagem. Conheça lugares e pessoas novas, experimente especialidades da gastronomia local e, principalmente, divirta-se. Esses momentos de relaxamento com as pessoas de que você gosta, ou até mesmo sozinho, farão um bem enorme à sua saúde. Até a volta.



Fontes:
ABEAR (Associação Brasileira das Empresas Aéreas) / Anvisa / OMS (Organização Mundial de Saúde) / Portal Consular (Ministério das Relações Exteriores) / Ministério da Saúde.


Voltar