Participe das Iniciativas

O SulAmérica Saúde Ativa foi feito para você! Por isso trazemos iniciativas
para uma vida mais saudável, que oferecem cuidados por completo.

Iniciativa desejada

Dados pessoais

//
-
Clínicas disponíveis para algumas localidades de São Paulo/SP. Indique no campo "Observações" a localidade de sua preferência: Freguesia do Ó, Indianópolis, Lapa, Paraíso, Pinheiros, Santana, Sta Cecília, Sta Cruz , Sto Amaro, São Judas, São Miguel, Tatuapé
*Campos obrigatórios

As Iniciativas Saúde Ativa estão disponíveis para os beneficiários SulAmérica Saúde e a participação está sujeita às condições de elegibilidade e área de abrangência. Para conhecê-las, clique em Pra Você > Iniciativas.

Se preferir, entre em contato via e-mail saudeativa@sulamerica.com.br ou pela Central de Atendimento
SulAmérica 0800-970-0500 para tirar suas dúvidas ou participar da iniciativa.

Recebemos seu interesse em participar do Saúde Ativa! Em breve entraremos em contato.
OK

A SulAmérica somente utiliza cookies essenciais a navegabilidade do site, para melhorar a sua experiência com nossos canais e serviços, inexistindo quaisquer coletas de dados adicionais. Ao utilizar nossos serviços e canais, você concorda com a coleta exposta. Para saber mais informações confira nossa Política de Privacidade e conheça nosso Portal de Privacidade

Continuar

Matérias



Como funcionam as vacinas no corpo humano? Epidemias

Home > Matérias > Epidemias > Como funcionam as vacinas no corpo humano?

Como funcionam as vacinas no corpo humano?

Diante do vírus Sars-Cov-2 (COVID 19) que parou o mundo, as vacinas se tornaram motivo de alívio e esperança, mas também viraram alvo de desconfiança de alguns. Afinal, como podem as vacinas proteger o corpo contra uma doença? Explicamos como as imunizações funcionam, como elas são produzidas e testadas, e quais doenças podem ser evitadas com ajuda das vacinas.

 

O que é uma vacina?

As vacinas protegem o organismo de doenças ao estimular o sistema imunológico a produzir anticorpos para lutar contra certos vírus e bactérias. Elas funcionam expondo o corpo humano ao micro-organismo causador da doença de maneira segura, de modo que o sistema imunológico seja capaz de produzir anticorpos sem ficar doente.

Para entender a lógica das vacinas, vale lembrar como a imunidade funciona: ao contrair uma doença infecciosa, o corpo produz naturalmente anticorpos para tentar lutar contra aquele agente invasor — o chamado antígeno, que pode ser um vírus ou bactéria. Uma vez que os anticorpos para aquele antígeno específico foram produzidos, o corpo fica protegido de uma nova infecção, já que os anticorpos estão preparados para defender o organismo. A produção de anticorpos não acontece do dia para a noite, por isso algumas vacinas demoram dias ou até semanas para fazer efeito. 

 

Como são feitas as vacinas?

Existem diversas maneiras de apresentar um vírus ou bactéria de maneira segura ao corpo humano, por isso são vários os tipos de vacina. Quanto mais as pesquisas avançam, melhores são as tecnologias para o desenvolvimento das imunizações.

Vacinas atenuadas

São produzidas com o micro-organismo vivo, mas enfraquecido. Por isso, costumam produzir uma imunização de longo prazo. Não podem ser utilizadas por pessoas com deficiência no sistema imune.

Exemplos: Catapora, rubéola, caxumba, sarampo e febre amarela.


Vacinas inativadas

O vírus ou bactéria é inativado (como se estivesse morto), por isso é incapaz de causar uma doença. Pela mesma razão, a imunização costuma ser mais baixa, necessitando mais de uma dose para garantir a proteção.

Exemplos: Pólio, hepatite A, cólera e raiva.


Vacinas com subunidades

São as que contêm apenas fragmentos do antígeno. Em alguns casos, apenas uma proteína do vírus ou bactéria é capaz de gerar uma resposta do sistema imunológico. 

 Exemplos: Meningite, hepatite B e HPV.


Vacinas com toxóides

Em algumas infecções bacterianas, o que causa a doença não são as bactérias em si, mas as toxinas produzidas por elas. Para esses casos, as vacinas feitas com toxinas modificadas são capazes de estimular os anticorpos contra as toxinas.

Exemplos: Tétano e difteria. 


Vacinas de mRNA

Mais nova tecnologia em imunização, elas não utilizam vírus ou bactérias, mas uma parte do material genético deles. Elas são compostas de RNA mensageiro, que ensina o corpo a produzir a proteína que vai gerar uma resposta imunológica à doença. 

Exemplos: COVID-19 (Pfizer e Moderna). 


Também vêm sendo estudadas vacinas de mRNA contra zika, raiva, gripe e citomegalovírus (CMV), de acordo com o Center for Disease Control and Prevention (CDC), órgão de referência para o controle de epidemias nos Estados Unidos.

 

Como as vacinas são avaliadas?

Quando uma nova vacina é elaborada, ela passa por uma série de testes até ser aprovada. Ela só passa para uma nova fase de testes após ser aprovada na fase anterior. 

Fase pré-clínica: testes em animais

Fase clínica:

  • Fase 1: é testada em alguns humanos para garantir sua segurança e determinar a dosagem

  • Fase 2: centenas de voluntários são testados para determinar a capacidade de resposta imunológica e possíveis efeitos colaterais

  • Fase 3: os voluntários testados chegam aos milhares, e um grupo recebe placebo, para determinar a segurança e eficácia da vacina

  • Fase pós-clínica: a vacina é regulamentada e precisa da aprovação de órgãos de saúde antes de ser produzida em massa e distribuída 

 

Quais os efeitos adversos da vacinação?

Como qualquer remédio, as vacinas podem causar efeitos colaterais, como febre, mal-estar e dor no local da aplicação, que não costumam durar mais que dois dias. Efeitos graves são raros e foram registrados em menos de 1% dos vacinados, segundo informações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Alguns exemplos são choque anafilático e reação alérgica grave. Nenhuma vacina é aprovada sem comprovação de que os efeitos colaterais graves são raros e os leves são de curta duração.

Caso tenha mais dúvidas, acesse nosso conteúdo com perguntas e respostas sobre COVID-19.  Em caso de sinais ou sintomas da doença, entre em contato com nossos serviços no app SulAmérica Saúde, através do botão Atendimento Coronavírus.

 

Voltar