Participe das Iniciativas

O SulAmérica Saúde Ativa foi feito para você! Por isso trazemos iniciativas
para uma vida mais saudável, que oferecem cuidados por completo.

Iniciativa desejada

Dados pessoais

/ /
-
Iniciativa disponível para algumas localidades
*Campos obrigatórios

As Iniciativas Saúde Ativa estão disponíveis para os beneficiários SulAmérica Saúde e a participação está sujeita às condições de elegibilidade. Para conhecê-las, clique em Pra Você > Iniciativas.

Se preferir, entre em contato via e-mail saudeativa@sulamerica.com.br ou pela Central de Atendimento
SulAmérica 0800-970-0500 para tirar suas dúvidas ou participar da iniciativa.

Recebemos seu interesse em participar do Saúde Ativa! Em breve entraremos em contato.
OK

Matérias



Síndrome do ovário policístico Saúde da Mulher

Home > Matérias > Saúde da Mulher > Síndrome do ovário policístico

Síndrome do ovário policístico: causas, sintomas e tratamento

 

image001 (1) 

De acordo com a Associação Obstetrícia e Ginecológica do Estado de São Paulo, cerca de 20% das mulheres são afetadas pela síndrome do ovário policístico (SOP), uma doença endócrina caracterizada pelo aumento da produção de hormônios masculinos que, na maioria dos casos, levam à formação de cistos nos ovários.

Para que fique claro, é importante entender que toda mulher em idade fértil desenvolve cistos durante a ovulação. No entanto, no final desse período, os cistos desaparecem. Já entre as mulheres que apresentam SOP, os cistos permanecem no ovário mesmo após o término do ciclo ovulatório, provocando alterações na estrutura do órgão.

Entre os principais sinais da síndrome do ovário policístico estão a irregularidade menstrual, dificuldades para engravidar, aumento da oleosidade da pele, surgimento de acne, crescimento de pelo em locais como buço, queixo e axilas, ganho de peso e resistência à insulina - o que favorece o surgimento de doenças cardiovasculares, obesidade e diabetes.  

 

Causas da síndrome do ovário policístico

Ainda não se conhece totalmente as causas da SOP, porém acredita-se que o surgimento da doença esteja relacionado a fatores genéticos (filhas de uma mulher com SOP tem por volta de 50% de chance de ter o distúrbio) e excesso da produção de insulina pelo organismo, que provoca alterações hormonais.

 

Como diagnosticar

Para o diagnóstico da síndrome do ovário policístico, é necessário realizar uma avaliação médica completa para descartar outras doenças que apresentam sintomas parecidos. Normalmente, os exames solicitados englobam a dosagem dos hormônios FSH, LH, Estradiol, TSH, S-DHE, Testosterona total e 17-OH progesterona, além de curva de insulina associada à curva de glicemia e ultrassom pélvico. 

É importante ressaltar que a presença de cistos no ovário não entra como um critério diferencial da doença, pois nem todas as mulheres com SOP desenvolvem cistos.  

 

Tratamento

O tratamento da SOP consiste no controle dos sintomas e complicações da doença. Normalmente, recomenda-se o uso regular de anticoncepcionais, que ajudam a diminuir a produção de hormônios masculinos e a regular o ciclo menstrual. Entre as mulheres que desejam engravidar, podem ser indicados medicamentos indutores da ovulação.

Nos casos em que existe o aumento na produção de insulina e resistência a esse hormônio, os médicos também poderão receitar medicamentos específicos.

Além disso, manter um estilo de vida saudável, que inclua alimentação equilibrada e exercícios físicos regulares, é importante para o controle do peso (principalmente entre as pacientes com obesidade), e para prevenir o desenvolvimento do diabetes.

 

Voltar