Participe das Iniciativas

O SulAmérica Saúde Ativa foi feito para você! Por isso trazemos iniciativas
para uma vida mais saudável, que oferecem cuidados por completo.

Iniciativa desejada

Dados pessoais

/ /
-
Iniciativa disponível para algumas localidades
*Campos obrigatórios

As Iniciativas Saúde Ativa estão disponíveis para os beneficiários SulAmérica Saúde e a participação está sujeita às condições de elegibilidade. Para conhecê-las, clique em Pra Você > Iniciativas.

Se preferir, entre em contato via e-mail saudeativa@sulamerica.com.br ou pela Central de Atendimento
SulAmérica 0800-970-0500 para tirar suas dúvidas ou participar da iniciativa.

Recebemos seu interesse em participar do Saúde Ativa! Em breve entraremos em contato.
OK

Matérias



Saiba Como Lidar Com as Dificuldades de Amamentar Saúde da Mulher

Home > Matérias > Saúde da Mulher > Saiba Como Lidar Com as Dificuldades de Amamentar



Um dos desejos das futuras mamães é o de amamentar seu bebê e sentir aumentar a conexão entre eles cada vez mais. Mas, infelizmente, às vezes algumas dificuldades podem atrapalhar esses momentos especiais.  Por isso é importante compreendê-las e aprender a lidar com elas. Neste Agosto Dourado, vamos conversar sobre alguns dos problemas relacionados à amamentação.

RACHADURAS NO BICO DO SEIO1 (1)


O aleitamento não deve ser doloroso; entretanto, muitas mulheres sofrem ao amamentar. Uma das razões mais comuns desse incômodo é a fissura mamária. As fissuras ou rachaduras, como também são conhecidas, provocam dor e, por vezes, sangramento. Em casos mais extremos podem causar infecções na mama.




2 (1)

As fissuras são classificadas assim: pequena (menor que 3 mm), que causa dor no começo da mamada; média (até 6 mm), que faz com que a mãe demore para sentir alívio da dor; e grande (maior que 6 mm), que causa dores intensas. A principal causa das rachaduras é a pega incorreta do bebê no momento da amamentação. 




Imagem3_1

Para a mulher que já está com o mamilo machucado também é importante realizar a pega correta do bebê, além de estar na posição adequada (mãe confortável e bebê com o corpo alinhado, de modo que a cabeça e a coluna estejam no mesmo eixo), expor o seio à luz do sol por aproximadamente 15 minutos ao dia, mantê-los secos e evitar sabonetes, cremes ou pomadas nos mamilos. Além disso, ao notar as fissuras, é preciso consultar um profissional para realizar o tratamento.




MASTITE

É uma inflamação nas glândulas mamárias. Frequentemente ocorre entre a segunda e a terceira semana após o parto, mas pode acontecer em outros períodos também, e em alguns casos pode evoluir para infecção bacteriana. A mastite causa dor, vermelhidão e calor nos seios; entretanto, quando evolui para infecção causa mal-estar, febre acima de 38ºC e calafrios. Em casos mais graves, há secreção e pus. Quando isso acontece, é preciso procurar um profissional de saúde.

Algumas das causas são: mamadas com horários irregulares, uso de chupetas e mamadeiras, não esvaziamento completo das mamas e separação entre mãe e bebê (que interrompe a regularidade das mamadas, levando ao acúmulo de leite nas mamas). Apesar do incômodo, a mãe não precisa parar de amamentar por causa da mastite, e ca/so a mama não esteja vazia mesmo após a mamada será preciso fazer a retirada manual do leite, já que o esvaziamento adequado do s///eio é importante para o tratamento.



ABSCESSO MAMÁRIO

Imagem4

O não tratamento ou tratamento tardio/ineficaz da mastite pode causar o abscesso mamário. É comum que ocorra quando não há o esvaziamento correto da mama afetada pela mastite. O abscesso causa dor intensa, febre, mal-estar e calafrios. Quando apalpado o seio,   há a sensação de conter bolhas de ar sob a pele. A ultrassonografia é utilizada para diagnosticar o abscesso e indicar o melhor tratamento.

É importante diagnosticar o problema o quanto antes para evitar a piora, já que em alguns casos mais extremos ele pode até comprometer futuras lactações. A prevenção e o tratamento precoce da mastite previnem o abscesso mamário. Caso o problema aconteça, deve ser tratado rapidamente com acompanhamento profissional.  Vale lembrar que a mãe pode continuar amamentando mesmo com a mama comprometida; entretanto, se a dor for muito intensa, é possível interromper temporariamente até que a dor diminua.

Por mais que esses quadros possam parecer assustadores, vale lembrar que podem ser evitados; caso ocorram, podem ser tratados. Para receber orientação preventiva e durante o tratamento de problemas relacionados à amamentação, conheça a Iniciativa Futura Mamãe do Programa Saúde Ativa. Nossos profissionais estão à disposição para ajudar.



Artigos relacionados:

Conheça os benefícios da amamentação

Dez fatos sobre amamentação

Amamentação




 

Voltar