Participe das Iniciativas

O SulAmérica Saúde Ativa foi feito para você! Por isso trazemos iniciativas
para uma vida mais saudável, que oferecem cuidados por completo.

Iniciativa desejada

Dados pessoais

/ /
-
Iniciativa disponível para algumas localidades
*Campos obrigatórios

As Iniciativas Saúde Ativa estão disponíveis para os beneficiários SulAmérica Saúde e a participação está sujeita às condições de elegibilidade. Para conhecê-las, clique em Pra Você > Iniciativas.

Se preferir, entre em contato via e-mail saudeativa@sulamerica.com.br ou pela Central de Atendimento
SulAmérica 0800-970-0500 para tirar suas dúvidas ou participar da iniciativa.

Recebemos seu interesse em participar do Saúde Ativa! Em breve entraremos em contato.
OK

Matérias



Atenção à Saúde Mental do Adolescente Saúde Mental

Home > Matérias > Saúde Mental > Atenção à Saúde Mental do Adolescente



A adolescência não é uma fase simples, e quem é ou convive de perto com um jovem sente na pele as dificuldades. Cercada pelas alterações hormonais da puberdade, ela está repleta de mudanças físicas, psicológicas e sociais. Por tudo isso, não é raro ouvir adultos reclamando que seus filhos não querem mais fazer programas em família, passam o dia no quarto, não conversam com eles e explodem por qualquer razão. Que fase! 

Entretanto, nem todos os comportamentos dos adolescentes são apenas reflexo da idade. É necessário um olhar atento para saber distinguir comportamentos mais retraídos e relacionados à fase da vida de comportamentos de risco, que podem indicar distúrbios da saúde mental e evoluir para quadros graves de depressão, e até mesmo suicídio.


Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão é a doença mais frequente na adolescência, e o suicídio é a principal causa de morte de pessoas que têm entre 15 e 29 anos. Ainda de acordo com a OMS, nessa fase a maioria dos transtornos mentais não é diagnosticada ou tratada. Dados como esses mostram o quanto é importante que os responsáveis olhem com atenção redobrada para os jovens: conversar, ouvir e ficar de olho ajudam.

 

São inúmeros os fatores que influenciam a saúde mental de um adolescente. Entre eles: qualidade de vida, relação com seus pares, violência (incluindo pais agressivos e sofrimento de bullying), violência sexual e problemas socioeconômicos. Os jovens com maior risco de desenvolver problemas de saúde mental são aqueles que enfrentam discriminação, exclusão social, ambientes frágeis e com insegurança alimentar, doenças crônicas, transtorno do espectro autista, dificuldade intelectual, gravidez e/ou casamento precoce ou forçado. Fazer parte de minorias étnicas, sexuais ou de outros grupos discriminados também tende a acarretar grande risco de desenvolver transtornos emocionais.

AUTOMUTILAÇÃO E OUTROS SINAIS

Ficar de olho nas mudanças de comportamento dos adolescentes pode ser a chave para ajudá-los a lidar com possíveis problemas e evitar tentativas de suicídio.

Automutilação – Segundo o Centro de Valorização da Vida (CVV), nos últimos tempos houve um crescimento no número de atendimentos a jovens que praticam automutilação, especialmente entre meninas de 13 a 17 anos. É consenso entre os profissionais da área que a automutilação é uma forma de lidar com problemas, por desviar momentaneamente a atenção da dor emocional para a física. Esse comportamento tende a se repetir sempre que o jovem sente necessidade de fugir das ansiedades. O uso constante de roupas que cobrem a maior parte do corpo, em especial braços e pulsos – mesmo no calor – pode ser sinal de que o adolescente está se mutilando.


Existem outros sintomas que também merecem atenção:


Isolamento social, crises de choro frequentes, tristeza profunda, queda no rendimento escolar, afastamentos sem motivo aparente, agressividade, impulsividade, comentários sobre morte e despedida. Os adolescentes costumam usar suas redes sociais com frequência, então acompanhar suas publicações é um modo de observar essas mudanças de comportamento e alterações de humor.







Artigos relacionados

Saúde mental: Como identificar que algo está errado

Metade dos casos de doenças mentais começa aos 14 anos, aponta OMS


Voltar