Participe das Iniciativas

O SulAmérica Saúde Ativa foi feito para você! Por isso trazemos iniciativas
para uma vida mais saudável, que oferecem cuidados por completo.

Iniciativa desejada

Dados pessoais

//
-
Iniciativa disponível para algumas localidades
*Campos obrigatórios

As Iniciativas Saúde Ativa estão disponíveis para os beneficiários SulAmérica Saúde e a participação está sujeita às condições de elegibilidade. Para conhecê-las, clique em Pra Você > Iniciativas.

Se preferir, entre em contato via e-mail saudeativa@sulamerica.com.br ou pela Central de Atendimento
SulAmérica 0800-970-0500 para tirar suas dúvidas ou participar da iniciativa.

Recebemos seu interesse em participar do Saúde Ativa! Em breve entraremos em contato.
OK

Matérias



A Relação Entre Obesidade e COVID-19 Epidemias

Home > Matérias > Epidemias > A Relação Entre Obesidade e COVID-19


sulamerica_2020_saude_artigo_obesidade-e-covid_headerMuito antes da pandemia do novo coronavírus, a obesidade já era motivo de preocupação no Brasil, e difícil de controlar. Em 13 anos (entre 2006 e 2019), o número de pessoas obesas aumentou 72%, o que significa que dois em cada dez brasileiros estão obesos, segundo monitoramento do Ministério da Saúde. Se considerarmos o sobrepeso, metade da população (55,4%) está nessa situação, ou seja, propensa a uma série de alterações acarretadas pelo excesso de peso, como diabetes e hipertensão.

Com a Covid-19, a obesidade passou a ser uma condição ainda mais preocupante, já que alguns estudos preliminares feitos nos Estados Unidos e na França mostraram que ela é uma condição crônica relacionada a hospitalizações pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2), principalmente em pessoas com menos de 60 anos e sem outros fatores de risco. 

As pessoas obesas apresentam outros fatores que contribuem para o agravamento da doença: respiração já dificultada pelo acúmulo de gordura e propensão maior à inflamação no organismo, o que compromete o sistema imunológico. Alguns pesquisadores também trabalham com a hipótese de elas apresentarem maior quantidade de receptores para o vírus que facilitam a entrada desses micro-organismos nas células.

Outra preocupação são aquelas doenças crônicas preexistentes associadas à obesidade que agravam a infecção respiratória. Isso significa que, em pacientes obesos com diabetes ou hipertensão, caso haja desenvolvimento de um quadro respiratório,a evolução poderá ser mais rápida para a síndrome do desconforto respiratório, insuficiência respiratória e outras complicações, aumentando o risco de necessitar de hospitalização. 



sulamerica_2020_saude_artigo_obesidade-e-covid_01 (1)

Quer saber se seu peso está de acordo com sua altura? 

Então calcule seu índice de massa corporal (IMC). Basta dividir seu peso pela sua altura ao quadrado (exemplo: 75 kg / 1,70 m x 1,70 m). O resultado é seu IMC. Se estiver entre 18,5 e 24,9, ótimo; entre 25 e 29,9 caracteriza sobrepeso; entre 30 e 30,9, obesidade; e acima disso, obesidade mórbida (valores para adultos). 




sulamerica_2020_saude_artigo_obesidade-e-covid_02
Além de hipertensão e diabetes tipo 2, a obesidade está diretamente relacionada a outras doenças crônicas, que, de acordo com a OMS, podem surgir de forma silenciosa. O acúmulo de gordura no organismo é um fator de risco para:

  • Hipertensão

  • Diabetes tipo 2

  • Colesterol alto

  • Alguns tipos de câncer

  • Problemas cardiovasculares (infarto, derrame)

  • Problemas respiratórios (asma, apneia)

  • Artrose e dores musculares






sulamerica_2020_saude_artigo_obesidade-e-covid_03

A insegurança e o medo nesse período de pandemia, sabendo das possíveis relações entre obesidade e a COVID-19, pode estimular a busca por dietas e emagrecimento rápido, que nem sempre trazem resultados positivos a longo prazo e podem ser prejudiciais. 

Para se prevenir, portadores de obesidade devem redobrar o controle adequado da pressão arterial e dos níveis glicêmicos, além de adotar os cuidados individuais e coletivos como medida de prevenção contra a Covid-19.

Adotar uma alimentação mais saudável e uma vida menos sedentária também são atitudes bem-vindas, para qualquer pessoa, principalmente no isolamento social. Confira algumas dicas:

Planeje as refeições com antecedência, priorize alimentos in natura (verduras, legumes e frutas) e limite a quantidade de produtos industrializados. Procure preparar sua própria comida para dosar melhor a quantidade de gordura e sal utilizados no preparo. E não esqueça de selecionar opções saudáveis também para os lanches intermediários. Reunimos mais recomendações de um cardápio saudável
aqui


Faça pequenas pausas durante o home office para mexer o corpo ou reserve um período do dia para praticar uma atividade física. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a prática de 150 minutos semanais de atividade física moderada (30 minutos por dia, cinco vezes por semana). Apenas 39% da população atinge essa meta, de acordo com dados de 2019 do Ministério da Saúde. Se você faz parte dos outros 61%, procure mudar de turma agora. Experimente novas modalidades – na internet tem várias videoaulas gratuitas. Aqui tem mais orientações para a prática de exercícios em casa.

Fontes: Ministério da Saúde e Organização Mundial da Saúde.

 
Artigos relacionados:

Saiba identificar os diferentes sintomas da COVID-19

Não descuide de outras viroses durante a pandemia

Se sair de casa, use máscara





Voltar