Participe das Iniciativas

O SulAmérica Saúde Ativa foi feito para você! Por isso trazemos iniciativas
para uma vida mais saudável, que oferecem cuidados por completo.

Iniciativa desejada

Dados pessoais

/ /
-
Iniciativa disponível para algumas localidades
*Campos obrigatórios

As Iniciativas Saúde Ativa estão disponíveis para os beneficiários SulAmérica Saúde e a participação está sujeita às condições de elegibilidade. Para conhecê-las, clique em Pra Você > Iniciativas.

Se preferir, entre em contato via e-mail saudeativa@sulamerica.com.br ou pela Central de Atendimento
SulAmérica 0800-970-0500 para tirar suas dúvidas ou participar da iniciativa.

Recebemos seu interesse em participar do Saúde Ativa! Em breve entraremos em contato.
OK

Matérias



Semana de Combate a Hipertensão: alimentos que ajudam a controlar à hipertensão Doenças Crônicas

Home > Matérias > Doenças Crônicas > Semana de Combate a Hipertensão: alimentos que ajudam a controlar à hipertensão

Mais de 25% dos brasileiros são hipertensos, segundo dados do Ministério da Saúde. A hipertensão é caracterizada pelo aumento persistente da pressão sanguínea pelas artérias e está entre as principais causas das doenças cardiovasculares – as que mais matam no mundo. Mudar os hábitos alimentares é fundamental para prevenir e controlar essa condição.

Alimentos que ajudam a controlar a hipertensão

Uma das principais atitudes recomendadas pelos especialistas é a redução do consumo de sódio a 5 g por dia (o equivalente a uma colher de chá de sal). Além disso, já se sabe que alimentos ricos em potássio, cálcio e magnésio, presentes em boa parte dos vegetais e frutas, podem ajudar a reduzir a pressão arterial. Mas, alguns tipos de alimentos apresentam características específicas que podem trazer benefícios.

Confira a seguir quais são eles:

 

Alimentos que ajudam a controlar a hipertensão

 

Laticínios

 

Laticínios com baixo teor de gordura, como os iogurtes desnatados, podem contribuir para a redução da hipertensão, segundo uma revisão de estudos publicados no periódico científico Journal of Human Hypertension,. Os pesquisadores afirmam que não é só o cálcio que está envolvido nesse processo, mas outros componentes do leite também, como os peptídeos (substâncias que se formam pela união de moléculas de aminoácidos indispensáveis para o bom funcionamento do organismo), liberados durante a digestão.

 

Semente de linhaça

 

Um estudo publicado na revista científica Hypertension apontou que o consumo de semente de linhaça em uma variedade de alimentos está associado à redução da pressão arterial. O efeito positivo foi observado em um grupo de hipertensos durante seis meses. Ainda não se sabe ao certo quais componentes da linhaça foram responsáveis pelos resultados, mas acredita-se que todos os seguintes componentes ou alguns deles podem estar envolvidos: ácido alfa-linolênico, lignanas, peptídeos e fibras.

 

Chocolate

 

De acordo com uma meta-análise publicada no período científico BMC Medicine, o consumo de chocolate amargo e de cacau foi associado à redução da pressão arterial sistólica ou diastólica entre pessoas com hipertensão ou pré-hipertensão. Os resultados se devem aos polifenois (especialmente os flavonoides), substâncias associadas à formação de óxido nítrico, componente que amplia os vasos e facilita o fluxo sanguíneo - e, portanto, reduz a pressão arterial.
 

Pistache

 

Por ser uma oleaginosa rica em diversos tipos de nutrientes, o pistache sempre foi apontado como benéfico à saúde, e mais recentemente foi associado à redução da pressão arterial. Em uma avaliação realizada e publicada na revista Hypertension, o consumo de uma porção diária de pistache contribui para a redução da pressão arterial sistólica. Ainda não se sabe exatamente a ação da oleaginosa, mas acredita-se que ela eleve o volume de sangue bombeado do coração e/ ou reduza a constrição dos vasos sanguíneos periféricos.

 

Azeite de oliva

 

Segundo um estudo publicado no American Journal of Hypertension, uma dieta rica em azeite de oliva pode ajudar a diminuir a pressão arterial. A conclusão teve como base a avaliação de um grupo de mulheres jovens hipertensas. As que incluíram azeite em suas dietas durante um período de quatro meses apresentaram quedas na pressão arterial (principalmente as que tinham pressão muita alta). Assim como o chocolate, o azeite de oliva possui polifenois.

 

Suco de beterraba

 

Pesquisadores australianos analisaram os efeitos do suco de beterraba sobre a pressão arterial de homens e mulheres saudáveis. Para efeitos de comparação, um grupo bebeu suco de maça com beterraba e outro grupo bebeu um suco placebo. Após seis horas de avaliação, os cientistas observaram que os que beberam suco de beterraba apresentaram queda na pressão arterial sistólica. O resultado, segundo os estudiosos, se deve à presença de nitratos na beterraba. O estudo foi publicado no periódico Nutrition Journal.

 

Peixes oleosos

 

Que os peixes são benéficos à saúde todo mundo sabe. Mas que eles também podem ajudar no controle da hipertensão é novidade. Pesquisadores da Espanha, Portugal, Islândia e Irlanda avaliaram o impacto de uma dieta que inclui peixe na pressão arterial diastólica em pessoas com sobrepeso e obesidade e concluíram que a ingestão de peixes oleosos, como salmão, três vezes por semana está associada à redução da pressão arterial diastólica em oito semanas. Esse efeito se deve à presença de ácidos graxos ômega 3. O estudo foi publicado na revista científica Nutrition.

 

Grãos integrais

 

Além de ajudarem a manter sob controle os níveis de colesterol, os grãos integrais também podem equilibrar a pressão arterial. Essa é a conclusão de um grupo de pesquisadores britânicos, que compararam uma dieta de trigo integral a uma dieta de grãos refinados. As conclusões indicam que comer três porções de grãos integrais pode ajudar a reduzir a pressão arterial sistólica. A ação desses grãos ainda não é clara. O estudo foi publicado no American Journal of Clinical Nutrition.

 

Embora os alimentos citados tenham sido analisados em pesquisas científicas, não se pode afirmar que irão diminuir a pressão em todos os casos. Até porque cada indivíduo apresenta diferentes variáveis de saúde e condições genéticas, e nem sempre um determinado método apresentará resultados positivos. Por esse motivo, é essencial buscar orientações médicas.

 

Leia mais 

Pressão alta na gravidez: entenda o que é e como tratar 

Apneia do Sono aumenta o risco de Hipertensão e Diabetes  

Gostou do artigo? Continue a navegar pelo nosso blog e fique por dentro do que há de mais atual no universo da saúde.

Voltar