Matérias



Mitos e verdades sobre as alergias respiratórias

Home > Matérias > > Mitos e verdades sobre as alergias respiratórias

Em todos os lugares é comum se deparar com alguém espirrando ou com falta de ar. As temperaturas frias dessa época do ano tendem a agravar os quadros das alergias respiratórias, que atingem cerca de 30% dos brasileiros, segundo dados da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI).

Entre as condições alérgicas mais comuns estão a rinite e a asma, doenças inflamatórias crônicas das vias respiratórias, desencadeadas pela exposição frequente e repetida a agentes alérgenos, como ácaros, e agravada por poluentes ambientais. Ambas as doenças afetam a qualidade de vida, levando à indisposição e à baixa produtividade para a realização de tarefas do dia a dia.

A rinite causa alguns sintomas não muito agradáveis, como coceira, espirros, coriza, dores de cabeça, sinusite e até conjuntivite. Já a asma, conhecida também como bronquite asmática, provoca sintomas como falta de ar, tosse, e respiração ofegante, e pode ser fatal. De acordo com as últimas estimativas da Organização Mundial da Saúde, 383 mil pessoas morreram em 2015 em decorrência da doença.

Como a expectativa é de que as alergias respiratórias continuem a afetar cada vez mais pessoas, reunimos a seguir algumas informações falsas e verdadeiras para esclarecermos melhor o assunto. Afinal, o conhecimento é o primeiro passo para combater o problema. Confira:

 

Existem vários fatores alérgenos

Verdade. A alergia é uma característica 50% hereditária e 50% desencadeada por agentes alérgenos, como ácaros, pelos de animais, poluição, perfumes e medicamentos, por exemplo.

O cigarro piora o quadro.

Verdade.  A fumaça irrita as vias aéreas do alérgico, que já tem a mucosa inflamada. 

Cuidados com o ambiente são indispensáveis

Verdade. Para evitar as reações alérgicas é importante reduzir o contato com as substâncias que podem levar à alergia, como manter a casa sempre arejada; evitar o uso de vassouras; limpar a casa frequentemente com pano úmido; não fumar no local, entre outras atitudes. 

 

O frio provoca mais crises alérgicas

Verdade. O tempo frio e seco é um dos agravantes para as alergias respiratórias. Nesses períodos, os agentes causadores de alergia permanecem por mais tempo no ar provocando as crises alérgicas. Além disso, com as baixas temperaturas, permanecemos mais tempo em ambientes fechados, ficando suscetíveis a gripes e infecções virais, que agravam os sintomas das alergias.

 

Os remédios só devem ser tomados nas crises

Mito. No caso da asma, o mais importante é o tratamento contínuo para evitá-las. Converse com o seu médico e se informe sobre o tratamento mais adequado para o seu caso.

 

Quem tem asma não pode praticar atividades físicas

Nem sempre. Caso a doença não esteja controlada, não é recomendado a prática de nenhum tipo de exercício. Porém, com o tratamento adequado e as crises sob controle, as atividades físicas estão liberadas.

 

9 cuidados simples para evitar as alergias respiratórias

Algumas medidas básicas de limpeza diária da casa, como aspirar bem os cômodos, evitar o uso de tapetes e carpetes podem ajudar a prevenir a ação do ácaro - principal vilão das alergias.

 

Veja os principais cuidados que você deve ter para evitar uma reação alérgica:

  • Mantenha a casa sempre arejada;

  • Use panos úmidos e aspirador; dispense vassouras e espanadores, pois eles apenas mudam o pó de lugar;

  • Limpe filtros de ar-condicionado e pás dos ventiladores semanalmente;

  • Cortinas e persianas são sempre depósitos de ácaros. Prefira os materiais e modelos fáceis de lavar, como algodão;

  • Mantenha longe objetos que acumulam poeira, como ursos de pelúcia;

  • Utilize água sanitária para limpar a casa. Ela ajuda a eliminar a proliferação de fungos;

  • Lave cobertores e casacos que estão guardados antes de os utilizarem;

  • Limpe as narinas com soro fisiológico.

  • No caso de quem tem asma, a mudança brusca de temperatura irrita os brônquios, agravando o problema. Portanto,evite se expor ao ar livre quando as temperaturas estiverem mais baixas, como por exemplo, no período da noite.

 

Voltar