Participe das Iniciativas

O SulAmérica Saúde Ativa foi feito para você! Por isso trazemos iniciativas
para uma vida mais saudável, que oferecem cuidados por completo.

Iniciativa desejada

Dados pessoais

/ /
-
*Campos obrigatórios

As Iniciativas Saúde Ativa estão disponíveis para os beneficiários SulAmérica Saúde e a participação está sujeita às condições de elegibilidade. Para conhecê-las, clique em Pra Você > Iniciativas.

Se preferir, entre em contato via e-mail saudeativa@sulamerica.com.br ou pela Central de Atendimento
SulAmérica 0800-970-0500 para tirar suas dúvidas ou participar da iniciativa.

Recebemos seu interesse em participar do Saúde Ativa! Em breve entraremos em contato.
OK

Matérias



Tuberculose ainda mata milhares Doenças Comuns

Home > Matérias > Doenças Comuns > Tuberculose ainda mata milhares

Muitas pessoas acreditam que a tuberculose é uma doença do passado. Mas a realidade indica que isso está longe de ser verdade: o Brasil registra cerca de 70 mil novos casos anualmente. Desse total, mais de quatro mil resultam em óbitos, segundo o Ministério da Saúde. No mundo, a tuberculose mata mais de 1,6 milhão de indivíduos, sendo considerada uma das dez principais causas de mortes.

Provocada pelo Mycobacterium tuberculosis ou bacilo de Koch, a tuberculose afeta prioritariamente os pulmões, mas pode acometer outros órgãos e/ou sistemas. Os casos extrapulmonares são mais frequentes em pessoas que vivem com o HIV e entre aqueles que apresentam o sistema imunológico comprometido. Com o tratamento adequado – disponível gratuitamente pelo SUS - a doença pode ser curada.

 

Como a tuberculose é transmitida

 

A transmissão da tuberculose é aérea, ou seja, se transmite pelo ar a partir da fala, espirro ou tosse de pessoas infectadas, especialmente em ambientes mal ventilados. O compartilhamento de roupas, talheres e objetos de uso pessoal não transmite a doença.

 

Nem todas as pessoas que tiveram contato com o bacilo Koch desenvolverão a doença, pois isso está muito ligado à condição imunológica de cada um. Além disso, o adoecimento por tuberculose, em muitas situações, está relacionado às condições precárias de vida. População carcerária, indígenas, moradores de rua e indivíduos com HIV fazem parte do grupo de maior risco.

 

Fique atento aos sintomas

 

- Tosse seca por mais de três semanas

- Febre vespertina

- Sudorese noturna

- Emagrecimento

- Cansaço

 

Diagnóstico

 

O diagnóstico da tuberculose tem como base a avaliação de testes bacteriológicos, como a baciloscopia e o teste rápido molecular para tuberculose, e exames de imagem, como a radiografia de tórax. Caso apresente os sintomas indicados, procure atendimento médico o quanto antes.

 

Tratamento

 

O tratamento da tuberculose existe desde os anos 50 e ao longo das últimas décadas evoluiu muito, tornando-se mais efetivo. Hoje, a doença pode ser curada, no entanto, são necessários no mínimo seis meses de uso contínuo de doses fixas combinadas de medicamentos, disponíveis gratuitamente nas unidades básicas de saúde (UBS). Em alguns casos, pode ser necessário o uso de medicamentos injetáveis. A partir dos primeiros dias de início do tratamento, o indivíduo com tuberculose não transmite mais a doença.

 

Não interrompa o tratamento

 

Logo após as primeiras semanas do tratamento é comum notar a melhora dos sintomas. Mas isso não quer dizer que a doença está curada. Interromper o uso dos medicamentos antes do período estipulado pelo médico pode causar complicações e recidivas da doença e até mesmo resistência à terapia.

 

Como prevenir a tuberculose

 

Em crianças, uma das principais maneiras de prevenir as formas graves da tuberculose (a tuberculose miliar e a meníngea) é por meio da vacina BCG, que deve ser administrada logo após o nascimento ou, no máximo, até quatro anos, 11 meses e 29 dias, de acordo com informações do Ministério da Saúde.

 

Mas é importante ressaltar que ter sido vacinado com a BCG na infância não quer dizer que não se pode desenvolver tuberculose. Isso porque a imunização é eficaz somente em crianças, prevenindo as formas sérias da doença.

 

Quem teve contado com uma pessoa infectada deve fazer os testes de diagnóstico para verificar se há infecção latente pelo bacilo. Em caso positivo, indica-se a realização do tratamento como forma de prevenir o adoecimento. Além disso, manter os ambientes ventilados e com entrada de luz solar é outra medida que contribui para a prevenção da doença.



Voltar