Participe das Iniciativas

O SulAmérica Saúde Ativa foi feito para você! Por isso trazemos iniciativas
para uma vida mais saudável, que oferecem cuidados por completo.

Iniciativa desejada

Dados pessoais

/ /
-
Iniciativa disponível para algumas localidades
*Campos obrigatórios

As Iniciativas Saúde Ativa estão disponíveis para os beneficiários SulAmérica Saúde e a participação está sujeita às condições de elegibilidade. Para conhecê-las, clique em Pra Você > Iniciativas.

Se preferir, entre em contato via e-mail saudeativa@sulamerica.com.br ou pela Central de Atendimento
SulAmérica 0800-970-0500 para tirar suas dúvidas ou participar da iniciativa.

Recebemos seu interesse em participar do Saúde Ativa! Em breve entraremos em contato.
OK

Matérias



Infecção urinária: por que surge e como prevenir Doenças Comuns

Home > Matérias > Doenças Comuns > Infecção urinária: por que surge e como prevenir

Dor na região pélvica, ardência e vontade de urinar mais vezes. Esses são sintomas comuns da infecção urinária, um dos tipos de infecções mais frequentes entre a população. As mulheres tendem a ser as mais afetadas– cerca de 60% apresentará um episódio dessa condição pelo menos uma vez na vida, de acordo com a Associação Americana de Urologia. Entre os homens, as estimativas são menores – por volta de 12%. 

As grandes responsáveis pelas infecções urinárias são as bactérias presentes na região da vagina e ânus. Assim como a pele, essas áreas do corpo abrigam naturalmente um grande número de micro-organismos, que podem contaminar a urina a partir do canal da uretra e chegar à bexiga ou, em casos mais sérios, ao rim. A bactéria mais frequentemente associada a essas infecções é a Escherichia coli, um micro-organismo normal da flora intestinal humana. Entre os tipos de infecções urinárias mais comuns estão as cistites.

 

Fatores de risco da infecção urinária

 

As mulheres são mais propensas ao desenvolvimento da infecção urinária em razão das características anatômicas do corpo feminino. O fato de a uretra ser mais curta que a masculina e essa estrutura estar mais próxima ao ânus eleva as chances de se contrair uma infecção. Mas, existem outros fatores de risco envolvidos. Saiba quais são eles:

 

  • Vida sexual ativa

 

O ato sexual em si eleva o risco de contaminação, além disso, o uso de diafragma e espermicidas e a falta de higiene antes e após a relação sexual também influenciam.

 

  • Gravidez

 

Durante a gestação, o fluxo de urina tende a se acumular no trato genital principalmente pelo aumento do volume do útero, que passa a comprimir as vias do aparelho urinário.

 

  • Menopausa

 

Na menopausa, as alterações na microbiota e mucosa vaginal se relacionam com um maior risco de colonização vaginal por micro-organismo, facilitando o desenvolvimento da infecção urinária.

 

  • Incontinência urinária

 

Resíduos de urina e esvaziamento lento da bexiga favorecem a ocorrência de infecção urinária.

 

  • Sistema imunológico enfraquecido

 

Quando o organismo está com as defesas debilitadas, ele terá dificuldades de combater agentes externos, como as bactérias.

 

  • Fatores obstrutivos

 

Condições como cálculo renal e refluxo vesicoureteral, que podem bloquear o canal da urina, além do uso prolongado de cateteres, estão relacionadas à infecção urinária.

 

Diagnóstico e tratamento

 

O diagnóstico da infecção urinária é feito por meio de análises laboratoriais da urina, mas exames adicionais podem ser recomendados. O tratamento é feito com o uso de antibióticos e, na maior parte dos casos, tem curta duração. No entanto, alguns pacientes podem apresentar infecções sérias e recorrentes, sendo necessário um tratamento prolongado e até mesmo em modo intravenoso, feito em ambiente hospitalar.

 

Se você está em tratamento contra a infecção urinária e os sintomas não estão melhorando ou tem apresentado dores estomacais, febre e sangue na urina procure o seu médico o quanto antes.

 

O que fazer para prevenir a infecção urinária?

 

  • Hábitos de higiene

 

Ao usar o banheiro, limpe-se sempre de frente para trás, nunca o contrário, e não passe o mesmo pedaço de papel higiênico duas vezes; evite banhos prolongados, principalmente se for de banheira, pois a água pode se contaminar rapidamente pela flora da pele, e não se esqueça de se lavar de frente para trás; nos períodos menstruais, recomenda-se o uso de absorventes internos, pois eles mantêm a área de abertura da bexiga mais seca do que o absorvente externo, limitando o supercrescimento bacteriano.

 

  • Roupas

 

Opte por roupas confortáveis e de tecidos leves, como as de algodão. Dessa forma, você evita o acúmulo de umidade – fator que favorece o crescimento bacteriano.

 

  • Consumo de água

 

Beber água regularmente ajuda a diluir a urina e faz urinar com mais freqüência - permitindo que as bactérias sejam liberadas do trato urinário antes que uma infecção possa começar.

 

  • Método contraceptivo

 

Mude seu método contraceptivo. Como mencionamos, os diafragmas e espermicidas podem contribuir para o crescimento bacteriano.

 

Gostou do artigo? Continue a navegar pelo nosso blog e fique por dentro do que há de mais atual no universo da saúde.

 


Voltar