Participe das Iniciativas

O SulAmérica Saúde Ativa foi feito para você! Por isso trazemos iniciativas
para uma vida mais saudável, que oferecem cuidados por completo.

Iniciativa desejada

Dados pessoais

/ /
-
*Campos obrigatórios

As Iniciativas Saúde Ativa estão disponíveis para os Segurados SulAmérica Saúde. Para conhecê-las, clique em Pra Você > Iniciativas.

Se preferir, entre em contato via e-mail saudeativa@sulamerica.com.br ou pela Central de Atendimento
SulAmérica 0800-970-0500 para tirar suas dúvidas ou participar da iniciativa.

Recebemos seu interesse em participar do Saúde Ativa! Em breve entraremos em contato.
OK

Matérias



Sinais de que você pode estar com o fígado inflamado Doenças Comuns

Home > Matérias > Doenças Comuns > Sinais de que você pode estar com o fígado inflamado

Hepatites

A inflamação no fígado tem origem em algumas condições de saúde, entre as mais frequentes estão as hepatites. Causadas por vírus, uso de medicamentos, álcool e outras drogas, além de doenças autoimunes, metabólicas e genéticas, essas inflamações podem surgir de forma silenciosa, sem manifestar sintomas, elevando os riscos de danos graves ao fígado e podendo resultar em cirrose ou até mesmo câncer.

 

No Brasil, as hepatites mais comuns são aquelas provocadas pelos vírus A, B e C. O primeiro tipo (A) é transmitido via fecal-oral e está relacionado a más condições de higiene e alimentos contaminados.

 

Já o contágio das hepatites B e C se dá por meio do contato com sangue contaminado (compartilhamento de seringas, etc.), sexo sem proteção (na hepatite C essa forma de transmissão é mais rara) e da mãe contaminada para o filho durante a gravidez ou parto.

 

Sintomas do fígado inflamado

 

Nem sempre as hepatites manifestam sintomas e em muitos casos os indivíduos podem conviver anos com a doença sem saber, até que ela cause lesões sérias ao fígado. Veja a seguir quais são os sintomas, quando estes estão presentes:

 

  • Febre
  • Dor de cabeça
  • Perda de peso
  • Enjoo
  • Vômitos
  • Dor abdominal
  • Pele e olhos amarelados
  • Urina escura (cor de Coca-cola)
  • Fezes claras (cor de massa de vidraceiro)
  • Tontura

 

A hepatite A tende a ser mais comum em crianças menores de 10 anos e é autolimitada, ou seja, desaparece sozinha. Raramente evolui para formas graves e fulminantes. No caso das hepatites B e C, a evolução de ambas as doenças pode produzir uma inflamação crônica e silenciosa do fígado, que com o tempo destrói as células hepáticas e leva à perda da função normal do órgão – quadro conhecido como cirrose – e até mesmo ao desenvolvimento de câncer do fígado.

 

Apenas nas fases mais avançadas da cirrose e do câncer de fígado é que o indivíduo pode notar alguns sintomas, como inchaço nas pernas, aumento do abdômen (ascite) e olhos amarelos (icterícia).

 

Como diagnosticar

 

As hepatites podem ser diagnosticadas por meio de exames laboratoriais. No Sistema Único de Saúde (SUS) estão disponíveis gratuitamente testes rápidos para os tipos B e C, que se baseiam na coleta de uma gota de sangue pela ponta do dedo. O resultado sai em apenas cinco minutos.

 

Tratamento

 

Para a hepatite A não existe um tratamento específico, já que a condição desaparece sozinha, sem gerar complicações. Normalmente, o que se recomenda é fazer repouso, manter uma alimentação equilibrada e pobre em gorduras e evitar a ingestão de bebidas alcoólicas por, no mínimo, seis meses.  

 

Com relação às hepatites B e C, apenas o médico poderá indicar o tratamento antiviral mais eficaz de acordo com as características do paciente. Hoje, o SUS dispõe de drogas antivirais modernas e eficientes. Cerca de 90% dos casos de hepatite C têm cura. Já a hepatite B pode ser controlada com o tratamento adequado.

 

É possível prevenir

 

Manter medidas básicas de higiene, como lavar as mãos sempre antes de se alimentar ou ao chegar da rua, higienizar bem os vegetais e as frutas e só consumir água e alimentos de onde se conhece a procedência, além de evitar relações sexuais desprotegidas e o compartilhamento de objetos perfurantes, é fundamental para a prevenção das hepatites A, B e C.

 

Esquema vacinal na saúde pública

 

Existem vacinas disponíveis na rede pública contra os vírus da hepatite A e B. Entenda o esquema vacinal:

 

Hepatite A – Podem se vacinar crianças de 15 meses a cinco anos e pessoas com HIV, doenças imunossupressoras; doenças de depósito; fibrose cística; trissomias; candidatos a transplante de órgãos; doadores de órgãos, e indivíduos com hemoglobinopatias.

 

Hepatite B – em crianças são aplicadas quatro doses: depois do nascimento, aos dois, quatro e seis meses de idade. Entre os adultos que não se vacinaram na infância, podem ser aplicadas três doses.

 

Essas vacinas também podem ser encontradas em clínicas particulares. Converse com o seu médico de confiança para mais informações.

 

Voltar