Participe das Iniciativas

O SulAmérica Saúde Ativa foi feito para você! Por isso trazemos iniciativas
para uma vida mais saudável, que oferecem cuidados por completo.

Iniciativa desejada

Dados pessoais

/ /
-
*Campos obrigatórios

As Iniciativas Saúde Ativa estão disponíveis para os Segurados SulAmérica Saúde. Para conhecê-las, clique em Pra Você > Iniciativas.

Se preferir, entre em contato via e-mail saudeativa@sulamerica.com.br ou pela Central de Atendimento
SulAmérica 0800-970-0500 para tirar suas dúvidas ou participar da iniciativa.

Recebemos seu interesse em participar do Saúde Ativa! Em breve entraremos em contato.
OK

Matérias



Cientistas brasileiros descobrem tratamento inédito para o Alzheimer Doenças Comuns

Home > Matérias > Doenças Comuns > Cientistas brasileiros descobrem tratamento inédito para o Alzheimer

Tratamento inédito para o Alzheimer

O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa progressiva que provoca a perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem) em razão da morte de células cerebrais. Estima-se que mais de 35 milhões de pessoas no mundo sejam afetadas por essa condição, que corresponde à principal causa de demência na terceira idade.

Apesar de o Alzheimer ainda não ter cura, existem muitos esforços da comunidade científica nesse sentido e um dos mais recentes é encabeçado por uma equipe de pesquisadores brasileiros do Instituto de Bioquímica Médica Leopoldo de Meis e do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Os cientistas evidenciaram que o recém descoberto hormônio irisina, produzido pelos músculos durante a prática de exercícios físicos, e reconhecido por regular o metabolismo do tecido adiposo, onde ficam armazenadas as reservas de gordura do corpo, também pode ser produzido pelo cérebro e ainda gerar mecanismos protetores à manutenção das memórias. 

Ao observarem o cérebro de pacientes e camundongos afetados pelo Alzheimer, os pesquisadores perceberam que havia níveis baixos de irisina, o que os levou a realizar testes e descobrir que a reposição desse hormônio no cérebro de diferentes formas, inclusive por meio de atividades físicas, é capaz de reverter a perda da memória.

Outros estudos já haviam abordado a prática das atividades físicas como benéficas para a saúde cerebral, mas ainda não haviam estabelecido uma ligação do hormônio irisina com a manutenção da memória. Esses resultados apontam uma nova esperança para quem enfrenta a doença e um caminho para a prevenção.

Conheça os fatores de risco do Alzheimer 

- Idade acima dos 60 anos

- Sexo feminino

- Histórico de complexa atividade intelectual

- Mutações genéticas

- Doenças cardiovasculares

- Hipertensão

- Diabetes

- Obesidade

 

Sintomas

 

- Perda de memória recente

- Dificuldades de raciocínio

- Desorientação no tempo e no espaço

- Dificuldade para falar e se expressar com clareza (estágio avançado)

- Alucinações (estágio avançado)

 

 

Voltar